MENU

09/11/2021 às 09h59min - Atualizada em 09/11/2021 às 09h59min

UE e Belarus trocam acusações por crise de imigrantes na Polônia

A crise na região, que também tem efeitos na Letônia e na Lituânia, vem se agravando há meses, especialmente, depois que o bloco europeu anunciou uma série de sanções contra o governo de Aleksandr Lukashenko.

CORREIO DO BRASIL
Para europeus, Minsk está usando os imigrantes para forçar uma crise no bloco
A crise migratória que atinge a fronteira entre Polônia e Belarus provocou uma série de trocas de acusações entre os dois lados nesta terça-feira, um dia depois de Varsóvia barrar a entrada de centenas de estrangeiros que marchavam para o país.

O ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, afirmou ao tabloide Bild que Bruxelas “precisa agir” para ajudar os poloneses a frear esse avanço porque “nem a Alemanha, nem a Polônia podem fazer algo sozinhas”.

– Precisamos ajudar o governo polonês a proteger suas fronteiras externas. Isso é uma obrigação da União Europeia – disse Seehofer ainda afirmando que não critica a construção de um muro no local. “Só não podem usar armas de fogo, obviamente, mas devem usar outros meios disponíveis”, pontuou.

Já o premiê polonês, Mateusz Morawiecki, afirmou que essa crise “afeta a estabilidade e a segurança de toda a União Europeia”.

– Proteger a fronteira polonesa está no nosso interesse nacional. Mas, hoje está em jogo a estabilidade da UE – acrescentou.

A crise na região, que também tem efeitos na Letônia e na Lituânia, vem se agravando há meses, especialmente, depois que o bloco europeu anunciou uma série de sanções contra o governo de Aleksandr Lukashenko. Para os ocidentais, o mandatário é um “ditador” e está tentando usar os estrangeiros como “armas” contra o bloco para provocar uma crise.

Recentemente, uma operação da polícia polonesa encontrou material de propaganda extremista islâmica em um dos acampamentos para deslocados mantidos por Minsk, o que aumentou os temores de que Lukashenko está tentando infiltrar terroristas entre aqueles que buscam uma nova vida na Europa.

A comissária europeia para Assuntos Internos, Ylva Johansson, afirmou que o caso é “a nossa prioridade mais urgente” e que “continuaremos a dar prioridade à proteção de integridade das nossas fronteiras”.

Ações fronteiriças

A representante ainda lembrou que, além das ações fronteiriças, Lukashenko está organizando voos com pessoas que pediram asilo para as capitais da Letônia e Lituânia, no que ela classificou como “ataques híbridos”.

Por conta disso, o Conselho Europeu anunciou a suspensão dos vistos de entrada nos 27 países do bloco para todos os expoentes do governo de Minsk.

Pela primeira vez desde a confusão da segunda-feira, o governo de Belarus se manifestou publicamente. Em uma nota conjunta divulgada pelo Ministério da Defesa e das Relações Exteriores, os políticos chamaram as acusações de “infundadas e não comprovadas”.

“Queremos antecipadamente colocar em alerta a parte polonesa contra a utilização de qualquer provocação para justificar eventuais ações beligerantes ilegais contra os migrantes”, diz ainda o comunicado.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »