MENU

27/09/2021 às 09h13min - Atualizada em 27/09/2021 às 09h13min

Suíços aprovaram casamento entre homossexuais

O povo suíço aprovou, num referendo por 64, 1% contra 35,9%, a legalização do casamento entre homossexuais ou o chamado Casamento para Todos. Mostrando uma enorme evolução no pensamento da população, nos últimos anos, nenhum cantão suíço votou contra. Mesmo o cantão de Apenzel, considerado o mais conservador, votou a favor por 50,8%. Entre os maiores cantões, foi o de Basel com maior percentagem de votos favoráveis, 74%.

CORREIO DO BRASIL
Foto: Divulgação
Essa unanimidade dos cantões garante uma total legitimidade à modificação agora feita na Constituição suíça. Há 16 anos, quando houve uma votação em favor do direito dos homossexuais de registrarem sua união, num contrato de parceria, a aprovação tinha sido de apenas 58%. Foi marcante a aprovação nas áreas urbanas de língua alemã, de religião protestante, beirando os 70%, enquanto no lado de língua francesa, com maioria católica, cidades como Genebra e Friburgo, a aprovação foi por 65 e 62%.

O fator religioso não teve influência preponderante, pois a Federação das Igrejas Protestantes aprovava essa abertura e mesmo a Igreja Católica não opõe obstáculo à celebração religiosa do casamento entre dois homens gays e entre duas mulheres lésbicas. Apenas os grupos minoritários de evangélicos eram contra, identificando-se nessa posição com o chamado Partido do Povo, qualificado como de extrema-direita. A imprensa suíça destacou a existência de cartazes homofóbicos espalhados pelo país contra o casamento para todos.

Depois de mais de quarenta anos, os casais do mesmo sexo conquistaram, na Suíça, o direito de se casarem com os mesmos direitos dos casais heterossexuais. A Suíça é um dos últimos países da Europa ocidental a reconhecerem o casamento entre pessoas do mesmo sexo. De acordo com a organização Anistia Internacional, a Suíça é o vigésimo nono país no mundo a reconhecer o casamento para todos, com a aceitação decorrente das minorias de gênero. Nos países onde já existe esse reconhecimento diminuíram as agressões contra homossexuais e os suicídios entre eles. Entretanto, segundo Anistia, ainda existem medidas a serem adotadas para proteger os homossexuais.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »