MENU

30/07/2021 às 07h35min - Atualizada em 30/07/2021 às 07h35min

Há anos ‘Justiceiros’ assassinam suspeitos de assaltar na fronteira de MS

As vítimas são torturadas, mortas e tem suas mãos decepadas. Em todas são encontrados bilhetes em nome de "Justiceiros da Fronteira"

Da Redação com informações do MIDIAMAX
Foto: Divulgação
Com três casos mais recentes registrados nesta semana, a atuação dos ‘Justiceiros da Fronteira’ já acontece há anos na região do Paraguai, na divisa com Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande. Um casal e um adolescente foram os últimos mortos pelos ditos justiceiros, que torturam, matam e deixam bilhetes sobre ‘não roubar’.

Em maio de 2018, Eduardo Cordoba Aquino, de 20 anos, foi vítima dos justiceiros. O corpo foi encontrado abandonado nas margens da BR-463, com os pés algemados e as mãos decepadas. Ao lado, o bilhete “A população pediu e nós voltamos. Estamos aqui pela justiça e cidadania. Chega de roubos e assaltos na fronteira. Justiceiros da Fronteira”.

Menos de três meses depois, outra vítima, Willian David Villalba Espinosa, de 20 anos. Com várias passagens por furto e roubo, o rapaz foi sequestrado no Paraguai e o corpo encontrado em território brasileiro. Colado na roupa, o bilhete que dizia “Não roubar nos bairros Terrassa e Cidade Nova”.

Fazendo ‘justiça com as próprias mãos’, até hoje não há relato de algum preso pelos crimes. Já em abril de 2019, um homem de 36 anos também teria sido vítima dos justiceiros, mas sobreviveu. Três pessoas invadiram a casa da vítima, decepando suas mãos com facões e facas. Em junho, dois jovens paraguaios foram mortos pelos justiceiros.

Edson Escobar e Rodrigo Sanches Cano foram encontrados com as mãos decepadas e com o bilhete “Não roubar mais na fronteira, este aviso é a todos os ladrões de camionetes, assina os Justiceiros da Fronteira”. Uma terceira vítima ainda conseguiu fugir, mas foi atingida por um tiro no rosto. Testemunhas chegaram a ver quatro homens em uma camionete, que seriam os autores do sequestro, tortura e mortes das vítimas.

Casos em 2021

Neste ano, em fevereiro Catalino Benitez Chena, de 56 anos, foi encontrado morto assim como as outras vítimas, com as mãos decepadas, mas na região de Paranhos. Em março, Emílio Garcia foi sequestrado na fronteira de Ponta Porã e encontrado morto no dia seguinte, com as mãos decepadas e o bilhete “Justiceiros da Fronteira. Não roubar na fronteira. Isso é só o começo”.

Já em abril, pai e filho foram mortos no Paraguai, a pouco mais de 100 quilômetros da fronteira. Rodolfo Romero Enciso, de 42 anos, e Ronaldo Romero Enciso, de 16 anos, foram assassinados a tiros e ao lado deles os bilhetes “Não roube”. Agora em julho, foram vítimas dos Justiceiros Luís Mateo Martinez Armoa, de 26 anos, a namorada Anabel Mancuello Centurion, de 22 anos, e de um adolescente de 17 anos.

O casal foi executado quando comemorava o aniversário de Luís, na segunda-feira (26). Ele estava jurado de morte e foi executado com mais de 40 tiros junto da namorada. Os atiradores estavam em uma camionete Hilux e após a execução, um bilhete foi deixado junto ao corpo de Luís “Favor não roubar, assinado: Justiceiros da Fronteira”.

Já na quarta-feira (28), foi encontrado o corpo do adolescente de 17 anos, torturado e assassinado em Pedro Juan Caballero. A princípio, garoto teria feito vários furtos na região. Ele foi encontrado com sinais de tortura e teve as mãos decepadas. Ao lado do corpo, foi encontrado um bilhete que seria do grupo dos justiceiros, dizendo que eles estavam de volta e que as mortes seriam só o começo.

No mesmo dia, perfil no Facebook atribuído aos Justiceiros da Fronteira fez publicação buscando por uma mulher, que segundo eles “tem que morrer”. Na publicação, o grupo fala o apelido pelo qual a mulher é conhecida e diz que ela teria feito algo ruim para eles e, depois, sumiu. “A gente precisa localizar ela, para acertar algumas coisinhas que ela fez erradas. Isso, ela tem que morrer”, diz a publicação. O grupo afirma ainda que tem dinheiro e qualquer informação sobre ela seria paga.

O perfil atribuído aos justiceiros saiu do ar, poucas horas após a publicação.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »