MENU

24/11/2021 às 09h06min - Atualizada em 24/11/2021 às 09h06min

Prefeitura não salda dívida previdenciária e vereadores debatem situação de previdência dos servidores públicos em Coxim

Leila P. da Silva Morais com informações ASCOM/CMC
Foto: Divulgação
No final de setembro (24/09/2021) os vereadores da Câmara de Coxim votaram e aprovaram por maioria, o projeto de Lei Complementar de autoria do Executivo que alterou o índice de correção e atualização monetária, do IGP-M (30%) para o IPCA (9%), aplicável sobre a dívida do município de Coxim para o IMPC (Instituto Municipal de Previdência dos Servidores de Coxim). Na época, o PL aprovado pela Câmara visava evitar o inadimplemento do Executivo Municipal.

Durante sessão ordinária de terça-feira (16/11) o vereador Abílio Vaneli, expôs o conteúdo de um ofício enviado pelo IMPC, informando sobre os atrasos dos pagamentos dos repasses previdenciários deste ano, totalizando uma dívida de quase R$ 1 milhão.  

Veja o que alguns vereadores falaram sobre o assunto:

ABILIO VANELI
“Nós estamos prestes a encerrar o primeiro ano de governo e até agora o que nos foi dito é que o salário dos servidores, junto com as contribuições previdenciárias patronal estavam todas quites. Mas este ofício diz o contrário, que a dívida do município com o IMPC é de quase R$1 milhão. O que é que está acontecendo? É alguma unidade gestora que não está pagando? Por que não está pagando? Cadê o Sindicato? Tão preocupado, tão zeloso com o servidor!
É importante que isso seja controlado logo no início, para que não vire uma bola de neve. Nós reclamamos que o município fez esse reparcelamento e que não é bom, porque cada vez mais enforca a capacidade financeira e a capacidade de financiamento do município, de pagar suas próprias compras e de investir na população coxinense”, explanou Abilio.

WILLIAM MEIRA
“Nos meses de setembro e outubro nós temos a diminuição de arrecadação do município, e já avisando, que por conta disso o município enviou para essa Casa de Leis um pedido de revisão do indexador da dívida do IMPC, pois sabia que com o declínio da arrecadação seria difícil pagar a parcela se não houvesse alguma restruturação da dívida, e isso foi feito pleiteando justamente a revisão do indexador de alguma modalidade a previsão dessa mudança”, explicou Meira.

CARLOS HENRIQUE
“Recebemos o oficio do IMPC falando sobre o atraso. E aqui eu quero frisar sobre o atrasado referente ao mês de outubro. Votei contra o projeto, não com intenção de prejudicar, mas sim por precaução. E hoje, 60 dias após a votação, nós não temos a conclusão ainda. A secretaria de previdência lá em Brasília ainda não deu o ok. É preciso planejar para fazer as coisas acontecerem me tempo hábil. Dizer que lá atrás aconteceu errado, e por isso se justificar que o erro permaneça hoje é simples. Vamos fazer com que essa administração não continue com os erros”, disse o vereador.

ADEMIR PETECA
“Me contento em ver que o executivo já tem soluções para as demandas que falamos aqui na tribuna. E uma delas seria que o executivo já diz que até o final desse mês vai fazer a quitação desse débito. Falei com o contador da prefeitura, e ele disse que é um atraso patronal e do servidor, e a prioridade foi que se pagasse a folha de pagamento ao qual até o dia de hoje não tivemos nenhum atraso em nenhum mês da atual gestão. Só para lembrar em números, já foi pago mais de R$10 milhões só para o IMPC, não seria R$1 milhão para atrasar por tanto tempo. Só estamos revendo a locação do recurso para fazer a quitação. O oficio chegou pra gente, mas já está sendo estudo para ser quitado”, disse o líder do prefeito na Câmara de Coxim.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »